MORAR PERTO DE UMA ACADEMIA OU DE UM RESTAURANTE FAST FOOD AFETA NOSSOS HÁBITOS DE VIDA

MORAR PERTO DE UMA ACADEMIA OU DE UM RESTAURANTE FAST FOOD AFETA NOSSOS HÁBITOS DE VIDA

Um correto planejamento das cidades poderia ajudar a levar uma vida mais saudável e prevenir a obesidade na população

Às vezes, fazer exercício físico envolve um grande esforço tanto mental como físico. Um estudo realizado pela pesquisadora Kate Mason, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, afirma que os adultos que moram próximos de academias ou de centros esportivos tendem a ser mais magros. De acordo com o estudo, se a acessibilidade aos centros esportivos fosse melhorada e reduzido o acesso à restaurantes fast food nos centros urbanos ocasionaria uma diminuição da população obesa além de melhorar a qualidade da dieta das pessoas.

O estudo, realizado entre 2006 e 2010, analisou o peso corporal de aproximadamente 400 mil homens e mulheres britânicos, entre 40 e 70 anos de idade. Também foram avaliados algumas medidas como a circunferência da cintura, o índice de massa corporal (IMC) e a porcentagem de gordura corporal.

Uma vez obtido os dados, eles foram relacionados à distância em que essas pessoas moravam do centros esportivos. Os resultados foram que a maioria dos participantes tinham uma academia a 1 quilômetro de sua casa, enquanto um terço dos participantes moravam mais longe.

As conclusões do estudo revelaram que todos aqueles que moram próximo de centros esportivos tem 1,27 centímetros a menos de cintura, menos gordura corporal e meio ponto a menos de IMC. Podemos acrescentar ainda, que o estudo também analisou os efeitos de morar próximo à restaurantes fast food apresentaram maior tendência em engordar.

Por meio do Mestrado em Atividade Física: Treinamento e Gestão Esportiva, oferecido pela UNINI, os profissionais interessados nessa área poderão melhorar seus conhecimentos.

Fonte: ¿Vive cerca del gimnasio? Es probable que esté un poco más delgado

Estudo: Associations between fast food and physical activity environments and adiposity in mid-life: cross-sectional, observational evidence from UK Biobank