GENÉTICA OU DEDICAÇÃO PARA SER O NÚMERO UM?

GENÉTICA OU DEDICAÇÃO PARA SER O NÚMERO UM?

O que diferencia um atleta do outro? Porque alguns se destacam e outros não? Isso se deve ao treinamento ou a fatores genéticos?

Nos últimos Jogos Olímpicos, todos os finalistas da corrida de 100 metros rasos masculinos eram de ascendência da África Ocidental, fato que se observa também nas mulheres onde praticamente todas vêm da mesma região da África. Casualidade?

Podemos analisar o Usain Bolt, jamaicano com recordes de velocidade e oito ouros olímpicos. O jornalista Samuel Esparza, do Diario Concepción, questiona como a Jamaica, um país com baixa população, é uma potência olímpica na modalidade Sprint.

Talvez a resposta esteja em um estudo de DNA realizado pela Universidade de Glasgow, pelos pesquisadores Yannis Pitsiladis e Errol Morrison. De acordo com os pesquisadores, os sprinters olímpicos jamaicanos provêm de um repertório genético de guerreiros das regiões montanhosas do noroeste da África Ocidental. Baseado em amostras de sangue, foi encontrado um gene relacionado com a velocidade e a marca genética desses guerreiros africanos.

Por exemplo, poderíamos concluir que a genética é um fator preponderante quando se trata de atuar como um verdadeiro profissional. Mas existem outros fatores que também são essenciais, analisamos outros exemplos

As 10.000 horas

No artigo escrito pelo psicólogo Anders Ericsson, “The Role of Deliberate Practice in the Acquisition of Expert Performance”, as pesquisas realizadas por uma equipe de pesquisadores concluíram que a experiência adquirida é mais importante do que as aptidões naturais. No esporte, refere-se a dedicação, o treinamento e a experiência.

Nesse sentido, um bom exemplo é o estudo realizado por psicólogos no Conservatório de Berlim. Descobriram que o diferencial entre os violinistas mais talentosos dos mais normais estava relacionado às horas de prática individual.

Então, podemos concluir que, se você tem boa genética, você já possui metade do caminho andado, agora adicione algumas horas de treinamento e dedicação e você se tornará o número um. No caso daqueles que não possuem uma boa árvore genealógica para tais aspectos, experiência e treinamento serão a base do seu futuro profissional e se derem o seu melhor poderão chegar mais longe.

Os profissionais da área de esporte interessados no treinamento esportivo podem optar pelo Mestrado em Atividade Física: Treinamento e Gestão Esportiva, patrocinado pela UNINI.

Fonte: ¿Un atleta de alto rendimiento nace o se hace?

Foto: Todos os direitos reservados