professores/2021/04/14/unini-impacto-covid-educacao-desigualdade-digital

Professores

O impacto da Covid na educação: a desigualdade digital

UniniPR_Educacion_BrechaDigital-530x430-1

As consequências da Covid na educação, como a desigualdade digital, estão afetando os estudantes.

As consequências da Covid, principalmente a desigualdade digital, estão afetando os estudantes em diferentes partes do mundo. Graças à pandemia, a digitalização acelerou-se consideravelmente durante o ano passado. Entretanto, o que poderia ser visto como um avanço tecnológico traz consigo desvantagens e desequilíbrios na educação global. A desigualdade digital é uma clara desvantagem para os estudantes.

 

Desigualdade de oportunidades

Em uma sala de aula, os alunos devem aprender sob as mesmas condições. Ou seja, todos eles recebem as mesmas ferramentas e oportunidades. Entretanto, a Covid-19 transformou este campo de jogo parcial e equilibrado em um campo incerto e instável.

Um relatório da Unicef e da União Internacional de Telecomunicações (UIT) mostra os dados reais e atuais sobre educação e a desigualdade digital.

De acordo com o relatório, 2 em cada 3 crianças em idade escolar no mundo não têm uma conexão com a Internet. Especificamente, 1,3 bilhões de pessoas entre 3 e 17 anos de idade.

“A falta de conectividade não só limita a capacidade das crianças e dos jovens de acessar a internet, mas os impede de competir na economia moderna. Estão isolados no mundo. E no caso do fechamento de escolas, como milhões de crianças estão vivenciando atualmente, isso leva à perda da educação”, afirma em relatório a diretora executiva da Unicef, Henrietta Fore.

 

Implicações econômicas e geográficas

O relatório apresenta dados globais e demonstra a grande desigualdade da conectividade em certas regiões do mundo. “Na Europa Oriental e Ásia Central, aproximadamente 60% das crianças e jovens com 25 anos ou menos têm acesso à Internet em casa. Uma situação semelhante é observada na Ásia Oriental e em regiões do Pacífico e América Latina e Caribe, onde pelo menos 50% das crianças e jovens têm acesso à Internet.

Por outro lado, o documento também destaca a relação entre a desigualdade digital e o Produto Interno Bruto de cada país. “Os dados confirmam que a prevalência do acesso à Internet está ligada ao nível de desenvolvimento econômico em cada país.”  Especificamente, sugere que em países com PIB per capita mais alto, mais jovens e crianças têm acesso à Internet em casa.

Todos aqueles profissionais que querem aprender mais sobre o setor da educação podem fazê-lo acessando os programas oferecidos pela  UNINI. Um dos cursos oferecidos é o Mestrado em Educação com especialização em Organização e Gestão de Centros Educacionais.

Fonte: Brecha digital en la educación, una consecuencia que deja la Covid-19

How many children and young people have internet access at home

Imagem: Todos os direitos reservados.

Copyright ©2021. Universidade Internacional Iberoamericana. Todos os direitos reservados.