professores/2021/10/15/unini-brinquedos-genero

Professores

Brinquedos não precisam de etiqueta de gênero

unini-juguetes

A marca Lego está tomando medidas para combater os preconceitos e estereótipos de gênero que ainda existem em nossa sociedade. 

Uma recente pesquisa global revelou que as atitudes em relação aos brinquedos e às carreiras profissionais permanecem desiguais entre homens e mulheres. Esta desigualdade começa para as crianças quando elas podem adquirir habilidades para uma variedade de profissões quando brincam com peças, mas estas habilidades variam entre brinquedos para meninos e meninas. Infelizmente, muitos desses brinquedos ainda são rotulados por gênero e, devido a pressões sociais, a disposição das crianças para explorar outros brinquedos é limitada. De acordo com a pesquisa, 71% dos meninos não queriam brincar com brinquedos “femininos” porque estavam preocupados que sofressem bullying. 

Os pais compartilharam este medo mais para os meninos do que para as meninas. Este medo está enraizado no fato de que os comportamentos dos homens são mais valorizados na sociedade. Isto cria uma pressão para que os homens façam coisas masculinas. Como as atividades femininas são menos valorizadas, há menos preocupação de que brinquem com brinquedos de “menino”. 

Os estereótipos também podem ser vistos na forma como os pais criam seus filhos. A pesquisa revelou que os pais tendem a encorajar seus filhos a participar de atividades esportivas e parentais, enquanto que às filhas são oferecidas aulas de dança, brinquedos para vestir e oportunidades de cozinhar. 

O mesmo preconceito de gênero está enraizado em todo o mundo e, para incentivar uma maior igualdade, foi criado o Dia Internacional da Menina para 11 de outubro. Além disso, a campanha Let Toys Be Toys, realizada em 2012 no Reino Unido, incentivou as marcas infantis a expandir seu marketing para ambos os sexos. Entretanto, o progresso tem sido lento, e um relatório de 2020 ainda encontrou uma associação entre a segregação dos brinquedos e os problemas de saúde mental. 

Em resposta, a marca Lego está trabalhando para tornar sua marca e seus brinquedos mais inclusivos. Ela quer abordar o preconceito de gênero e outros estereótipos prejudiciais que persistem em nossa sociedade. Querem criar brinquedos que estimulem a educação, o cuidado e a consciência espacial. Os legos também podem incentivar o raciocínio e a resolução de problemas tanto para meninas como para meninos. Os legos não serão mais divididos por gênero, mas por “pontos de paixão” em seu website. Além disso, a empresa Lego testará seus produtos em meninas e meninos, e também incluirá modelos femininos.

Ao encorajar meninos e meninas a brincar com brinquedos que são tradicionalmente para o sexo oposto, eles têm a oportunidade de melhorar suas habilidades em uma variedade de áreas. Por exemplo, quando uma criança brinca com uma boneca, ela pode desenvolver habilidades de cuidado que teriam sido perdidas se ela só brincasse com blocos. Além disso, quando as meninas podem praticar suas habilidades de construção com Legos, elas podem desenvolver habilidades arquitetônicas que as ajudarão em uma carreira futura. 

As empresas podem aderir ao movimento Lego para combater estereótipos de gênero e permitir que meninos e meninas brinquem com brinquedos sem medo de pressões sociais.

A Universidad Internacional Iberoamericana (UNINI Porto Rico) tem vários cursos em que os professores, por exemplo, podem aprender como promover a igualdade por meio do uso de brinquedos na sala de aula. Um dos programas é o Mestrado em Educação com especialização em Organização e Gestão de Centros Educacionais.   

Fonte: Lego to remove gender bias from its toys after findings of child survey

Colaboradores

Copyright ©2021. Universidade Internacional Iberoamericana. Todos os direitos reservados.